Não sei o que desenhar!

Oi gente, tudo bem?

Antes de começar o post só queria compartilhar um grande acontecimento recente (para mim) que é a inauguração da minha loja virtual! ❤ Nem acredito que ela existe! O link é este aqui: www.luizanormey.com.br e por enquanto só tem pôsteres das minhas artes, mas em breve mais produtos chegarão! Espero que gostem 🙂

Bom, o assunto de hoje é sobre uma reclamação que ouço muito, eu inclusive passo por isso quase sempre e até pouco tempo atrás era um grande problema para mim: não saber o que desenhar. O fato de não ter nenhuma ideia pode chegar a ser bem frustrante e ajuda na desistência. As vezes passo dias só pensando e tentando ter alguma luz, e quando consigo, faço a ilustração em uma hora. Chega até ser ridículo, hehe. Mas esse problema pode estar inserido em vários contextos diferentes, alguns mais críticos que outros. Que para mim são:

  • Você ilustra com muita frequência mas está sem ideias
  • Você ilustra as vezes e ainda não achou seu estilo
  • Você só consegue desenhar copiando

Eu já passei por todos os contextos, então vou contar o que me ajudou (e ajuda) a superar essa crise artística.

Misturar referências.

Faço isso muito quando fico totalmente bloqueada. Principalmente nas fases de só saber copiar e de ainda não ter um estilo próprio. O que eu faço nesse caso é ir direto para meus bancos de imagens. O lugar onde encontro mais inspirações é o Pinterest. Um site onde você pode ter pastas de referências do mundo inteiro, só “pinando” e agregando as imagens nos painéis que você cria no seu perfil. Meus painéis mais úteis na hora de buscar inspiração são os de: ilustração, pintura, cores e padrões. E para referências fotográficas eu gosto de procurar no Tumblr.

Posso usar como exemplo uma das minhas ilustrações mais conhecidas, a Girafa. A ideia nasceu de uma conversa com um amigo (valeu Wal 🙂 ) em que eu não sabia o que desenhar. Ele então sugeriu uma girafa, porque ele gosta de girafa. Agora eu tinha um tema, mas o que fazer com ele? Primeiro precisava encontrar uma girafa como base. Para isso fui direto no tumblr e achei este gif muito simpático:

tumblr_nbnp9huVXG1rpe379o1_500

Já sabia como seria a pose da minha girafa! Agora faltavam as cores. De que forma colorir? Não queria me prender as cores reais, então fui procurar inspiração no pinterest. Achei este maravilhoso gato em aquarela:

0c6d8cc4499063c1a8502b7dafcdcdec

Aquarela por Sheila Gill

Adorei essa pintura pelo fato da artista ter substituído as cores escuras (que no gato real deviam ser preto, cinza ou marrom) por azul, verde e roxo. Esse detalhe acabou criando uma singularidade na obra mesmo ela sendo uma representação bem realista do animal. Então decidi fazer isso também e substituir os tons terrosos da girafa por ocre, laranja e rosa, e as partes pretas/marrons por verde escuro em degradê com o preto. E por fim, senti que faltava mais alguma coisa na pintura e achei esta referência:

f0d2f7f33ac73f5409746cdcfd0a34a0

Aquarela por Furry Little Peach

Onde a artista insere formas, padrões, ornamentos, entre outras estilizações para personalizar a pintura. E assim com lápis de cor e canetinha branca de gel fui acrescentando os detalhes na girafa. O resultado final ficou assim:

girafff

A frase “Oi estranho” não veio de lugar nenhum, eu olhei para a girafa e senti que ela estava me dizendo isso, hahah.

Aprender novas técnicas.

Uma solução que acho muito boa e enriquecedora na hora de encontrar um tema para desenhar é a do exercício técnico. Você escolhe algo novo para aprender, tanto na parte de ilustração ou na de pintura, e a partir dai cria uma ideia. Eu tenho vários desenhos que surgiram desse estudo de novas técnicas. Por exemplo, encontrei este vídeo no youtube que ensina a pintar galáxia com tinta acrílica:

E disso saiu esta mini pintura:

IMG_20140726_185303

Outro exemplo foi quando quis testar a técnica de aquarela com nanquim usando esta imagem como referência:

171402c3f87482d3945e5ea0074dd8fe

Aquarela por Miss Capricho

E saiu esta padronagem:

foto-florzinhas

E assim você vai experimentando. Pelo menos uma vez por mês é legal testar algo novo. Isso ajuda muito a soltar a criatividade 🙂

Reviver a infância e explorar interesses atuais.

Estou colocando essas duas dicas juntas porque no meu caso elas sempre acabam se misturando. É um ótimo exercício para quem está procurando seu estilo, seu diferencial como artista. No meu caso eu fui primeiro desenhando sem pensar para depois me dar conta que estava retratando meus gostos e minha infância. E foi assim que fui descobrindo um padrão.

– O mar.

Quando eu queria pintar algo relaxante, silencioso e profundo, sempre me vinha na cabeça o mar. Ele está presente na minha infância e no meu presente. Tenho a sorte de viver perto dele, e quando quero esquecer de tudo, vou para o mar, e fico à deriva lá no fundo, sozinha e no silêncio. Foi assim sem pensar que fiz estas aquarelas, e descobri parte do meu estilo:

mar silencio city-under-the-sea

– No meio da natureza.

Quando eu era criança sempre brincava no meio do mato, subia em árvores e dormia na grama. E por alguma razão sempre sonhava que eu era um ser bem pequeno que morava no meio da floresta, e ficava protegida entre a folhagem. Hoje em dia ainda gosto de entrar em matas fechadas, principalmente tropicais, e toda vez que vejo um esconderijo natural, tenho vontade de ficar ali. Dessa pira que surgiu minha coleção de meninas no meio da natureza:

cade IMG_0190na-mao_gostei-mais-destamelancolia-florida

– Cachos

E por fim, um assunto que faz parte da minha identidade: meu cabelo. Quando eu era nova, quase nunca desenhava alguém de cabelo cacheado, só quando eu tinha que me retratar. E isso refletia muito em como eu me sentia comigo mesma, em quem eu queria ser. Hoje, muito pelo contrário, tenho vontade de sempre pintar cachos e afros, e é um assunto cada vez mais presente na minha vida, meu cabelo virou minha identidade. Todo artista desenha indiretamente a si mesmo, então não se preocupe quando seus amigos reclamam “você sempre se desenha!”, hahah.

IMG-20150621-WA0003

Estes exemplos que citei são os únicos casos em que a ideia da pintura brotou com muita naturalidade, sem precisar racionar. É em essa situação que você começa a descobrir seu estilo, e a partir dai fica muito mais fácil sair do bloqueio do “não sei o que desenhar”.

——

E bom, essas são minhas dicas! Espero que sejam úteis para vocês 🙂

Té té!